Compreender a Shoá: Entrevista a Irene Flunser Pimentel

irene-flunser-pimentel

Falar de livros sobre a História de Portugal e Holocausto é falar sobre a Professora Irene Flunser Pimentel. Doutorada em História Institucional e Política Contemporânea, possui uma vasta obra na sua área de formação, desde investigação aprofundada sobre a PIDE, o papel das mulheres portuguesas ao longo do tempo e a ligação entre o Holocausto e o Estado Novo. No dia em que se assinala a libertação de Auschwitz e o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, tenho o privilégio de partilhar contigo a entrevista que fiz à Professora Irene Flunser Pimentel. Como sabes, o tema deste mês do clube de leitura é a libertação de Auschwitz e não existe melhor forma de assinalar esta efeméride do que entrevistando um dos nomes maiores portugueses que escrevem sobre o tema.

E eu assinalo esta efeméride, começando hoje a leitura do livro “Holocausto”, da Professora Irene Flunser Pimentel. Este livro, publicado em Setembro de 2020 pela Tema e Debates pretende responder a um conjunto de questões sobre a Shoá ou Holocausto. Deixo-te aqui a sua sinopse:

Quando ocorreu a Shoá e que etapas levaram a esse crime? Quando souberam os Aliados e o mundo da Shoá, e poder-se-ia tê-la evitado? Como e quando soube o governo português do genocídio nazi dos judeus europeus? Esteve também Portugal, embora neutral, na rota da Shoá? Como foram descobertos os campos de concentração e de extermínio e de que forma foram julgados os criminosos nazis? E a opinião pública portuguesa, a viver em ditadura, quando e o que soube? «É para desfazer confusões, contribuindo para um conhecimento maior da Shoá, e também do papel de Portugal face a esse terrível acontecimento, com base na minha própria investigação, mas também na profusa bibliografia existente sobre o tema, em geral, e relativamente a Portugal, em particular, que proponho este livro.»

irene-flunser-pimentel

Ainda só li algumas páginas do livro e já consigo compreender a dimensão de conhecimento que esta leitura me vai trazer. Sem dúvida, uma excelente escolha como última leitura do mês para o clube de leitura e que podes também ler para o projecto “Ler é respeitar a história” na categoria “Um livro com mais de 200 páginas”.  E, agora, partilho a entrevista que, espero, seja tão enriquecedora para ti como foi para mim!

 

Antes de iniciar a nossa entrevista, poderia falar-nos um pouco sobre quem é a Professora Irene Flunser Pimentel?

Sou portuguesa, de pai português e mãe suíça, e estudei no Liceu Francês Charles Lepierre de Lisboa, na secção francesa, do Jardim Infantil até ao último ano, de conclusão do liceu (Baccalauréat). Estudei durante um ano e meio na Universidade de Zurique (Literaturas Comparadas), mas depois “meti-me na política”, em Paris, regressei a Portugal, em 1971, trabalhei e comecei a viver em liberdade, com o 25 de Abril de 1974. Só recomecei os meus estudos universitários em História, tarde, aos 30 anos, na FLL, de 1980 a 1984. Nova paragem para trabalhar, enquanto levei a cabo o Mestrado e o Doutoramento em História na FCSH da UNL. Desde então sou investigadora, fui bolseira de Pós-Doc da FCT e sou investigadora integrada no Instituto de História Contemporânea da FCSH da UNL. A minha profissão é ser historiadora/investigadora em História.

 

Possui uma vasta obra (individual e com outros autores) focada no Estado Novo e na época da Segunda Guerra Mundial, de que se destacam “Salazar, Portugal e o Holocausto”, “Espiões em Portugal durante a II Guerra Mundial”, “O comboio do Luxemburgo” e o mais recentemente publicado “Holocausto”. Com surge o seu interesse sobre esta fase da História, em particular quanto ao papel de Portugal na Segunda Guerra Mundial?

Em termos de geração, sou “filha” da II Guerra Mundial. Pertenço à geração baby boom, de paz na Europa (nasci em 1950), mas ainda muito marcada pelos terríveis acontecimentos, entre os anos 20 e 1945. Desde sempre me interessei por História, pela luta contra a Ditadura e tive a noção de que o Holocausto foi uma ruptura tremenda, moral, social e política, na ética da humanidade. O facto de ter frequentado o liceu francês e de a minha mãe ser suíça e ter família na Suíça, também me tornou cosmopolita e mais próxima do que foi a Alemanha nazi, em termos de conhecimento. Em Portugal vigorou, até 1974, uma ditadura , que tinha sido neutral durante a guerra, e havia a tendência para voltar as costas à Europa e a convicção que nada tínhamos a ver com esses acontecimentos dos anos 40. 

 

Acha que a população portuguesa, principalmente a mais jovem, se interessa por conhecer a sua história e o papel de Portugal em conflitos tão fraturantes mundialmente como foi a Segunda Guerra Mundial?

É sempre difícil, na nossa subjectividade (sem recurso a sondagens ou estudos), responder a essa pergunta com um sim ou não categóricos. O que eu sei é que, quando vou às escolas fazer conferências sobre o tema, há interesse, dependendo muito dos professores de História. Sei porém que nos últimos anos há uma desvalorização das disciplinas de História e Filosofia e uma tendência para o “presentismo”. Trata-se da falsa noção de que o que interessa é o presente, quando na realidade este só existe e é compreensível se conhecemos o passado e para tendermos para um futuro melhor. A História pode não evitar futuros terríveis acontecimentos, mas mostra-nos caminhos já trilhados e dá-nos conta daqueles pelos quais não pretendemos enveredar.

 

O seu mais recente livro, “Holocausto”, pretende responder a um conjunto de questões, como surge na sua sinopse. Qual acha que pode ser o papel deste livro no ganho de consciência dos portugueses sobre a Shoá e sobre o que foi o Holocausto?

Apercebendo-me que há em Portugal falsas ideias feitas sobre  o que foi a Shoá – apesar de haver a ideia de que tudo sabemos sobre o acontecimento – pretendi, através da leitura que fiz da bibliografia internacional e da investigação realizada, sobretudo em Portugal, dar o meu contributo para o esclarecimento. O livro concebido como um manual para professores de História e todos os interessados nesta disciplina e no tema está dividido em duas partes: uma de esclarecimento sobre o que foi a Shoá e outra sobre a forma como Portugal e o seu regime intervieram ou não – indirectamente, é certo -, nesse terrível acontecimento. Alem do mais, também me interessa investigar o processo de memória em Portugal, sobre a II Guerra Mundial e as catástrofes a ela associadas.

 

Por último, e para terminar esta breve entrevista, acha importante que se continue a escrever, a ler e a falar sobre a nossa história e o nosso passado? O que nos pode isso trazer de aprendizagem enquanto portugueses e cidadãos do mundo?

Trata-se da minha profissão e da forma como exerço a cidadania, por isso só posso responder à primeira pergunta com a afirmativa. Como bem diz, somos portugueses e cidadãos do mundo e, como todos, temos de respirar ética, empatia e solidariedade para com as vítimas de regimes ditatoriais e totalitários no passado e presente. E, como já disse, penso que o conhecimento do passado (saber de onde viemos) é crucial para a análise do presente e sobretudo para que não possibilitemos hoje e no futuro novos crimes contra a humanidade. Defender a democracia dos seus inimigos é a nossa tarefa enquanto cidadãos, em solidariedade com as gerações anteriores  as que vêm depois de nós. Sobretudo, temos de procurar eliminar a indiferença e a passividade. Como diz um grande historiador do nazismo, Ian Kershaw: “o caminho para o Holocausto foi construído pelos perpetradores nazis, mas foi pavimentado pela indiferença”.

irene-flunser-pimentel

Livros de Irene Flunser Pimentel que podes ler:

História das organizações femininas do Estado Novo 

Os cinco pilares da PIDE

Inimigos de Salazar

O caso da PIDE/DGS

O comboio do Luxemburgo, de Margarida de Magalhães Ramalho e Irene Flunser Pimentel

Mulheres portuguesas, de Helena Pereira de Melo e Irene Flunser Pimentel

Democracia e ditadura, de Irene Flunser Pimentel e Maria Inácia Rezola

Espiões em Portugal durante a Segunda Guerra Mundial

Salazar, Portugal e o Holocausto, de Cláudia Ninhos e Irene Flunser Pimentel

A história da  PIDE

Cardeal Cerejeira. O príncipe da Igreja

Judeus em Portugal durante a II Guerra Mundial

Mocidade Portuguesa Feminina

 

Como sugestão de leitura, convido-te a ler o artigo publicado hoje no Blogue Somos Livros da Bertrand, com o inspirador título “Aristides de Sousa Mendes. Contra o ódio: amar e desobedecer”.

 

Professora Irene Pimentel, muito obrigada por ter aceite o convite para esta entrevista e proporcionar este olhar sobre o seu significado como forma de assinalar o dia em memórias de todos os que foram vítimas do Holocausto. Que se compreenda a história para que ela não se repita!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Utilizamos cookies para personalizar o conteúdo disponibilizado e os anúncios, para fornecer funcionalidades nas redes sociais e para analisar o nosso tráfego. Também partilhamos informações sobre a sua utilização do nosso site com os nossos parceiros de redes sociais, publicidade e Google Analytics. View more
Cookies settings
Aceitar
Privacy & Cookie policy
Privacy & Cookies policy
Cookie name Active

Política de privacidade para Leituras descomplicadas

As informações pessoais recolhidas através de formulários de contacto, caixas de comentários, passatempos ou subscrições são utilizadas pelas LEITURAS DESCOMPLICADAS para nos ajudar a melhorar a sua visita ao nosso site, tornando-a o mais produtiva e agradável possível. Todos os aspectos relacionados com a garantia da confidencialidade dos dados pessoais dos utilizadores do nosso site são muito importantes para as LEITURAS DESCOMPLICADAS.
O uso das LEITTURAS DESCOMPLICADAS pressupõe a aceitação desta política de privacidade, reservando-se a equipa das LEITURAS DESCOMPLICADAS de alterar este acordo sem aviso prévio.
 

Quem somos?

O endereço do nosso site é https://www. leiturasdescomplicadas.pt. LEITURAS DESCOMPLICADAS é um blog literário dedicado à partilha de sugestões de leitura para miúdos e graúdos. Esta partilha ocorre através de artigos de opinião sobre livros, destaques de novidades editoriais, entrevistas a autores, clube e projectos de leitura, entre outras iniciativas.  

Dados recolhidos

Formulário de registo no website - quando um utilizador se regista em https://www.leiturasdescomplicadas.pt, seja pelo preenchimento de formulário ou através de login com a sua conta de Facebook, Google ou Linkedin, são recolhidos dados pessoais como nome, email, localização, entre outros. Formulários de contactos ou comentários - quando um utilizador preenche um formulário de contacto ou deixa um comentário no nosso site, são recolhidos os dados exibidos no formulário e também o endereço de IP do visitante. Passatempos - quando é realizado um passatempo é solicitado o preenchimento de um formulário com dados do utilizador, como nome, email, nomes de utilizador de redes sociais, localização, entre outros. Cookies - Os cookies são curtos ficheiros de texto com informações relevantes que o seu browser processa, quando um site é visitado por um utilizador. Utilizamos cookies para armazenar informação, tais como as suas preferências pessoais, quando visita o https://www.leiturasdescomplicadas.pt. A colocação de cookies ajuda o site a reconhecer o dispositivo (tablet, desktop, mobile, etc) do utilizador sempre que nos visita. Os cookies retêm apenas informação relacionada com as suas preferências, não revelando dados pessoais.
  • Quando deixa um comentário no nosso site, pode optar por guardar o seu nome, endereço de email e site nos cookies. Isto é para sua conveniência para não ter de preencher novamente os seus dados quando deixar outro comentário. Estes cookies durarão um ano.
  • Se visitar a página de início de sessão, será configurado um cookie temporário para determinar se o seu navegador aceita cookies. Este cookie não contém dados pessoais e será eliminado ao fechar o seu navegador.
  • Ao iniciar a sessão, serão configurados alguns cookies para guardar a sua informação de sessão e as suas escolhas de visualização de ecrã. Os cookies de início de sessão duram um ano. Se seleccionar "Lembrar-me", a sua sessão irá persistir durante duas semanas. Ao terminar a sessão, os cookies de inicio de sessão serão removidos.
Google Analytics - Usamos o Google Analytics para registrar informações sobre as páginas que um utilizador viu, por exemplo, o URL da página, a hora do dia, o dispositivo usado, etc. As informações que coletamos são anonimizadas e enviadas ao Google Analytics para análise. O Google Analytics usa principalmente cookies primários para informar sobre as interações dos visitantes neste site. Os utilizadores podem desativar os cookies ou excluir qualquer cookie individual. O Google Analytics também coleta endereços IP para fornecer e proteger a segurança do serviço e para dar aos proprietários de websites uma noção de que país, estado ou cidade do mundo os utilizadores são provenientes (também conhecido como “geolocalização por IP” ). Os dados do Google Analytics são retidos por 38 meses.
 

Porque está a receber emails nossos?

Ao registar-se no nosso website, preencher um dos formulários de contacto do website, participar num dos passatempos realizados no website, no Facebook (/leiturasdescomplicadas) ou no Instagram (@leiturasdescomplicadas), os dados fornecidos serão usados para comunicação da marca, via email.  

Ligações a sites de terceiros

O LEITURAS DESCOMPLICADAS possui ligações para outros sites, os quais, a nosso ver, podem conter informações / ferramentas úteis para os nossos visitantes. A nossa política de privacidade não é aplicada a sites de terceiros, pelo que, caso visite outro site a partir do nosso deverá ler a política de privacidade do mesmo. Não nos responsabilizamos pela política de privacidade ou conteúdo presente nesses mesmos sites.
 

Como utilizamos os seus dados?

Utilizamos os seus dados para:
  • Operar e manter o website
  • Fornecer informação e conteúdo de interesse para o utilizador
  • Melhorar o funcionamento do website, incluindo a gestão e priorização de conteúdos
  • Adicionar à nossa mailing list para comunicar produtos e/ou serviços relacionados com LEITURAS DESCOMPLICADAS ou enviar conteúdo útil relacionado com as temáticas abordadas no site
  • Fornecer suporte ou apoio ao utilizador
  • Entregar prémios aos vencedores de passatempos
  • Cumprir obrigações contratuais e legais
Em nenhum momento fornecemos os seus dados a empresas externas ou os utilizaremos para qualquer efeito que não os descriminados acima.
 

Por quanto tempo guardamos os seus dados?

Salvo raras exceções de tempo mais curto, como por exemplo o Google Analytics, os seus dados são mantidos indefinidamente.

Quer eliminar ou alterar os seus dados?

A qualquer momento poderá solicitar-nos que alteremos ou eliminemos os seus dados. Para isso basta enviar-nos um email para ola@leiturasdescomplicadas.pt.
Save settings
Cookies settings